O futuro do e-commerce!

O futuro do e-commerce!

O comércio eletrônico vem evoluindo ano após ano e conseguindo novos adeptos, as lojas virtuais não são mais do que vitrines cheias de produtos disponíveis para venda!

O mercado de vendas online notou a necessidade de investir em estratégias de marketing para saber o que os clientes acham de seus produtos, acompanhar o processo de pós-venda, saber quais produtos precisam de uma nova versão ou sair de linha de produção.

Nos últimos anos vemos a chegada de novas tecnologias que estão dando “asas a imaginação” de muitos marqueteiros de plantão, com isso temos a aparição de novas modalidades no e-commerce:

M-commerce – Mobile Commerce

Comércio Eletrônico Móvel está cada vez mais se tornando uma realidade.Existe a previsão de que tudo será resolvido através do celular, e as vendas no varejo não serão exceção.

E as compras feitas pela web estão se tornando mais populares, devido ao surgimento de redes 3G, novos celulares e diversos outros dispositivos móveis. Nesse viés, esses novos aparelhos estão cada vez mais se tornando um meio comum para realização de atividades rotineiras na vida das pessoas.

Empresa de e-commerce vende US$ 30 bilhões em um único dia

Como exemplo, o número de pessoas que utilizam Smartphone para realização de compras online aumentou significativamente.

Há a possibilidade de que, no futuro, quase todas as transações serão feitas por esses tipos de dispositivos.

O mobile commerce começou a surgir com a implantação de aplicativos em geral para celular ou até mesmo jogos. Nesse sentido, as pessoas podiam baixar e comprar diversos aplicativos, ou realizar microtransações dentro dos mesmos.

F-Commerce – Facebook Commerce

O crescimento vertiginoso do número de usuários do Facebook despertou o interesse das empresas em estarem presentes nesse canal.

É possível criar uma loja virtual dentro do Facebook usando aplicativos de e-commerce. Há vários no mercado a custos bem acessíveis.

Esses aplicativos funcionam como uma vitrine de produtos dentro do Facebook. Quando alguém clica no botão comprar, é direcionado para a página do produto, na loja virtual.

T-Commerce – Television Commerce

Com o surgimento da televisão digital, o T-Commerce surge, por meio de publicidades e anúncios para as pessoas que assistem.

Dada a presença massiva da Televisão no Brasil e os avanços do Ginga, a plataforma de Televisão Digital Interativa do SBTVD, em breve as compras poderão ser feitas durante os anúncios e inserções nos programas de TV.

Você sabia que uma das principais características desta forma de e-commerce é a redução do tempo entre o anúncio e uma venda, o que deverá aumentar ainda mais os números do e-commerce no país?

O sinal de TV analógica (como conhecemos) no Brasil deve ser desligado e a maioria das TVs – hoje presentes em mais de 90% dos lares brasileiros – deverá contar com recursos de interatividade que permitirão o T-Commerce.

Uma forma de realizar um comércio nas propagandas é por meio de banners que se localizam na parte de baixo da tela da TV, para que seja possível realizar um marketing constante.

Além disso, existem ferramentas que permitem o telespectador encomendar produtos diretamente da televisão, utilizando o cursor do controle para clicar em ícones que aparecem na tela e que o redirecionam para o processo de uma compra.

O T-Commerce é uma forma extremamente vantajosa para os fornecedores de bens ou serviços, pois usam esse tipo de comércio para estimular suas vendas, por meio do potencial que a mídia digital proporciona.

Nesse viés, existe uma conexão ligeira entre o vendedor e o cliente, não sendo necessário interromper algum programa para vender seus produtos.

Porém, nos dias atuais, o T-ommerce ainda possui suas limitações, já que a maioria dos provedores de televisão não adotam configurações que possibilitem a utilização desse meio.

S-Commerce – Social Commerce

Redes sociais são a verdadeira febre do momento na internet.

E como todo bom “marqueteiro” não pode deixar essa possibilidade passar, grandes redes de e-commerce já começam a usá-las como ferramenta de marketing viral, atingindo diretamente seus clientes.

As empresas estão buscando usar as redes sociais como ferramenta de atendimento, uma vez que a voz dos consumidoras ganha cada vez mais força com as redes sociais.

Consumidores insatisfeitos já conseguem arranhar a imagem de empresas que não resolveram seu problema, compartilhando suas experiências negativas com suas redes de amigos e parentes e até mesmo postando vídeos com depoimentos.

Compra coletiva

É quando um grupo de consumidores se reúnem e usam uma velha regra de ouro, não há melhor tática que agrupar várias pessoas para PeixeUrbano e ClickON sendo que além deles, existem buscadores que indexam ofertas de sites de compra coletiva diariamente, como Bigudinho, Dia de Feira, NossoDesconto e SaveME.

Lojas virtuais privadas

Quando uma grande loja virtual decide queimar seus estoques, está precisa fazer de uma maneira mais privada criando sites fechados onde somente um grupo seleto de usuários de seu site aberto tem a possibilidade de acessar.

Produtos virtuais

Grandes lojas como a Amazon já oferecem produtos virtuais como filmes, jogos, softwares, livros entre outros.

Cada vez mais se torna uma forma prática de e-commerce, tanto para o comprador (este não se preocupa em perder um livro, ou estragar um DVD, pois tudo é digital e pode ser feito download a qualquer momento após a compra) como para o vendedor (este não precisa de estoque por exemplo).

Tecnologias alternativas de pagamento

O e-commerce não pode se restringir apenas em boletos bancários ou cartões de crédito.

Quantos mais alternativas de pagamento melhor. Temos o caso do Celcoin que é uma forma segura e cada vez mais utilizada como opção de pagamento.

Novas tecnologias podem surgir e com isso aumentar mais ainda a abrangência do e-commerce.

Web 3.0

Sendo a atividade com maior crescimento a nível mundial, o Comércio Eletrónico tem na Web 3.0, também designada de “Web da Semântica”, mais uma oportunidade de desenvolvimento da sua ação.

A diferente obtenção de dados em função do usuário é um desafio ao qual o marketing digital tem que responder.

A importância do uso desta ferramenta é realçada pelos dados do estudo sobre os hábitos de consumo online na Europa, divulgado pela ACEPI, onde 96% dos utilizadores de internet europeus afirmam basear as suas compras em pesquisas online.

TRABALHE VENDENDO PRODUTOS QUE VOCÊ GOSTA!

Além de quê, se você sonha em trabalhar com o que gosta e ter sucesso neste mercado, esta é a oportunidade que espera há tempos.

Trabalhe com o que gosta e tenha tempo para curtir com sua família.

1 comentário

  1. Pingback: Empresa de varejo vende US$ 30 bilhões em um único dia - comPensar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *