Como eliminar a ansiedade em menos de 30 dias!

Desde 1998 eu fui diagnosticado como portador de Síndrome do Pânico, más antes deste diagnóstico eu sofri desse mal por mais de 1 ano. Devo confessar que foi a pior experiência da minha vida. Devido a uma característica minha, de ser muito, mas muito, curioso eu passei os últimos anos a estudar sobre isso. Então continue lendo este texto que vou te mostrar Como eliminar a ansiedade em menos de 30 dias!

E-book Grátis Saia da Depressão em 21 Dias

Ah, eu não sou médico e nem terapeuta, minha intenção aqui é compartilhar a minha experiência para ajudar a quem precisa conhecer mais sobre a Síndrome do Pânico e suas variações.

Antes de continuar, veja se Você se identifica com algum destes sintomas!

  1. Sofre com Pensa-Pensa Constante
  2. Se Preocupa Constantemente
  3. Sente Dificuldade de Concentração
  4. Não Encara as Situações
  5. Procrastina
  6. Sofre de Insônia
  7. Tem Impaciência com as Pessoas
  8. Tem Ataques de Pânico
  9. Percebe a Memória Falhando
  10. Sente Necessidade de Afirmação
  11. Tem Dores de Cabeça
  12. Tem Problemas Estomacais
  13. Transpira Excessivamente
  14. Tem Batimentos Cardíacos Acelerados
  15. Sente Falta de Ar

Responde: Quais deles?

Se você tem pelo menos 3 destas características vale a pena continuar lendo, por a possibilidade de você sofre de Síndrome do Pânico é muito grande.

A Síndrome do Pânico é um distúrbio caracterizado pela “preocupação excessiva ou expectativa apreensiva”, persistente e de difícil controle.

A ansiedade é uma reação normal diante de situações que podem provocar medo, dúvida ou expectativa. Ela pode ser considerada normal quando se manifesta nas horas que antecedem algum compromisso, a publicação do resultado de um concurso, o uma viagem muito planejada, uma cirurgia.

Veja Como Sair da Depressão | Canal do Youtube

É em casos como estes a ansiedade vem funcionar como um sinal que prepara você para enfrentar o desafio e, mesmo que ele não seja superado, favorece sua adaptação às novas condições de vida.

Porém, em níveis incontroláveis ela passa a ser considerada Síndrome do Pânico, que é um distúrbio caracterizado pela “preocupação excessiva ou expectativa apreensiva”, persistente e de difícil controle.

Essa síndrome perdura por seis meses ou mais e é associado por 3 ou mais dos seguintes sintomas:

  • Sensação de perigo iminente;
  • Medo de perder o controle;
  • Medo da morte ou de uma tragédia iminente;
  • Sentimentos de indiferença;
  • Sensação de estar fora da realidade;
  • Dormência e formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto;
  • Palpitações, ritmo cardíaco acelerado e taquicardia;
  • Sudorese;
  • Tremores;
  • Dificuldade para respirar, falta de ar e sufocamento.

Em geral, os homens são menos vulneráveis do que as mulheres. – Infelizmente, eu fugi a esta regra!

No meu caso uma complicação frequente era o medo do medo, ou seja, o medo ter outro ataque de pânico. Afinal asse medo era tão grande que eu, muitas vezes, evitava ao máximo situações em que essas crises pudessem acontecer novamente.

E ainda, bastava eu me lembrar de ataques de pânico anteriores que eu era levado a uma nova crise.

No início, no primeiro ano, eu passei por mais de 1 dezena de profissionais que foram de clínicos gerais, passando por neurologistas, psicólogos, psiquiatras e etc. A exceção dos psicólogos em todos os demais a única saída proposta era o uso de medicamentos antidepressivos ou ansiolíticos. Como eu não tinha muito conhecimento acabei embarcando nessa fria.

Ansiedade noturna, saiba como identifica-la!

Tomei “os famosos tarjas pretas”, ô arrependimento. Más, graças a minha incansável vontade de aprender sobre a vida eu consegui levar uma vida “normal”.

E foi exatamente essa minha curiosidade que me levou a conhecer inúmeros métodos alternativos, uns funcionaram e outros não. Pelo menos para o meu tipo de personalidade e problema.

Também descobri que poderia me tornar dependente destes medicamentos. Já que a dependência envolve a necessidade de um medicamento para poder agir normalmente e para evitar sintomas de abstinência.

A minha preocupação sobre o uso contínuo dos medicamentos controlados era porque a síndrome do pânico não tratada poderia levar a complicações que comprometessem seriamente a minha qualidade de vida em todos os aspectos.

Foi aí que dentre as pesquisas que fiz descobri que a evolução da Síndrome do pânico poderia levar a:

  • Desenvolver algumas fobias específicas, como agorafobia;
  • Ter mais probabilidade de ser menos produtivo no trabalho e de ter relações pessoais difíceis, inclusive problemas nos meus relacionamentos afetivos;
  • Depressão;
  • Suicídio;
  • Alcoolismo e abuso de drogas;
  • Problemas financeiros.

A boa notícia é que ha algum tempo atrás eu conheci um método que resolveu definitivamente o meu problema e por isso fiz este texto, para que você também o conheça, se for o seu caso. Foi aí que aprendi como eliminar a ansiedade em menos de 30 dias!

Porém, depois que conheci este método descobri que ele também é indicado para pessoas com Depressão.

Veja AQUI os Depoimentos de quem já usa o Método!

Então, se:

  • Você tem HUMOR DEPRESSIVO ou irritabilidade, ansiedade e ANGÚSTIA?
  • Você sente DESÂNIMO, CANSAÇO fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas?
  • Tem DIMINUIÇÃO ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis?
  • Você está desinteressada com FALTA DE MOTIVAÇÃO e apatia?
  • Tem transtornos alimentares, com ganho de peso e isso te deixa completamente INFELIZ?

Vale muito a pena conhecer este Método que já recuperou dezenas de pessoas! Clique AQUI e saiba como funciona!

Desejo, de coração, que você tenha vida próspera, saudável e abundante!

Como Sair da Depressão Sem Remédios e Sem Médicos

Como eliminar a ansiedade em menos de 30 dias!

Você Gostou? Compartilhe!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  1. Pingback: Porque dormir bem é importante | Saiba Tudo – ComPensar

  2. Pingback: Depressão tem cura SEM medicamentos! – ComPensar